Site Autárquico - Câmara Municipal de Faro

Ir para conteúdo

Combate às alterações climáticas

PAAC de Faro (aceda ao documento completo aqui)

Sumário:

  1. FAQs
  2. Cenários e Projeções
  3. Vulnerabilidades
  4. Matriz de Risco
  5. Medidas e Ações de adaptação às alterações climáticas
  6. Implementação / Monitorização

I. FAQs
O que são as alterações climáticas?

  • As atividades humanas consomem energia e simultâneamente libertam gases com efeito de estufa (GEE)
  • As emissões de GEE provocam o aquecimento global do planeta
  • Consequentemente, dá-se o aumento do nível médio do mar
  • Entre outros efeitos, sucede o aumento dos fenómenos meteorológicos extremos (quantidade e dimensão), ou seja assite-se ao fenómeno das alterações climáticas.

O que fazer para combater as alterações climáticas?
Existem 2 opções, podendo e devendo-se atuar, de forma complementar, através de ambas:

  • Mitigar:
    • Reduzir as emissões de GEE
    • Reduzir o consumo de recursos naturais não renováveis
    • Reduzir a geração de resíduos
    • Aumentar a eficiência na utilização dos recursos naturais
    • Aumentar o recurso a fontes renováveis
  • Adaptar: É um processo de ajustamento ao clima atual e futuro, procurando minimizar os efeitos negativos dos impactes das alterações climáticas nos sistemas biofísicos e socioeconómicos.

O que tem feito Faro face às alterações climáticas?

  • 2011 - Adere ao Pacto dos Autarcas (755 signatários em toda a Europa, cobrindo 252.629.868 habitantes)
    Metas 2020: + 20% de eficiencia energética em todo o concelho
    + 20% de fontes renováveis utilizadas na produção de energia elétrica
    - 20% de emissões de gases que provoquem o efeito de estufa
  • 2014 - Adere à Plataforma CDP Cities que mede o nível de desenvolvimento sustentável das cidades e permite a sua comparação, reportando indicadores demográficos, económicos e ambientais
  • 2015 - Adere ao Pacto dos Autarcas para o Clima & Energia comprometendo-se a:
    • identificar os riscos climáticos
    • definir meta de redução das emissões de GEE
    • identificar as vulnerabilidades climáticas
    • elaborar um plano de adaptação às alterações climáticas
  • 2016 - Arranca a elaboração do Plano de Adaptação às Alterações Climáticas (PAAC)
  • 2018 - Articula o plano municipal com o plano regional (AMAL)
  • 2020 – O PAAC de Faro é aprovado pela Assembleia Municipal de Faro em reunião de 20-07-2020

Quais são os desafios decorrentes da elaboração do Plano de Adaptação às Alterações Climáticas de Faro?

  • Integrar a adaptação às alterações climáticas nos processos de planeamento e decisão dos agentes locais e regionais;
  • Sensibilizar os agentes locais para o fenómeno;
  • Aumentar a incorporação de medidas de adaptação e mitigação nos instrumentos de planeamento locais;
  • Assegurar que as estratégias se adequam às especificidades territoriais;
  • Garantir a participação ativa de diversos agentes nas diversas fases do desenvolvimento da estratégia.

Quais são os objetivos do Plano de Adaptação às Alterações Climáticas de Faro?

  • Conhecer e informar: necessidade de desenvolver e consolidar uma base científica e técnica sólida;
  • Reduzir a vulnerabilidade e aumentar a capacidade de resposta: corresponde ao trabalho de identificação, definição de prioridades e aplicação das principais medidas de adaptação;
  • Participar, sensibilizar e divulgar: levar o conhecimento sobre alterações climáticas a todos os agentes sociais e transmitir a necessidade de ação, suscitando a maior participação possível na definição e aplicação da estratégia;
  • Cooperar a nível internacional: abordar as responsabilidades em matéria de cooperação internacional na área da adaptação às alterações climáticas.

Quais são os sectores mais atingidos pelas Alterações Climáticas em Faro?

  • Agricultura e florestas
  • Biodiversidade
  • Energia e Indústria
  • Ordenamento Território e Cidades
  • Recursos hídricos
  • Saúde humana
  • Segurança de pessoas e bens
  • Turismo e Orla Costeira

Quais são os eventos climáticos que mais afetam o concelho de Faro?

  • A – Altas temperaturas / ondas de calor
  • B – Seca e fogos florestais
  • C – Precipitação intensa / cheias
  • D – Aumento da temperatura da água do mar
  • E – Vaga de frio

Quais são as consequências para o concelho de Faro?

  • Alterações na biodiversidade e no património ambiental e natural;
  • Alterações no escoamento superficial e na recarga dos aquíferos e, consequentemente, na disponibilidade de água;
  • Restrições no abastecimento e consumo de água;
  • Intensificação do processo erosivo das zonas costeiras;
  • Diminuição da qualidade dos recursos hídricos;
  • Aumento das inundações em meio urbano;
  • Danos materiais em equipamentos, infraestruturas e vias de comunicação;
  • Aumento do risco de incêndio;
  • Intensificação dos danos para a saúde;
  • Alteração nos estilos de vida;
  • Danos para a economia em setores como o turismo, a agricultura e a floresta.


II. Cenários e Projeções (PAAC de Faro, 2019)


III. Vulnerabilidades (PAAC de Faro, 2019)

Atuais

  • Temperaturas elevadas e ondas de calor
  • Expansão do habitat de alguns vetores de doença (ex.: mosquitos, Dengue);
  • Desidratação e outros distúrbios metabólicos.
  • Secas e fogos florestais
  • Quebras de produção nas culturas hortícolas;
  • Aumento do risco de incêndio e ocorrência de incêndios;
  • Baixo teor de água existente ao nível do solo.
  • Precipitação Intensa
  • Inundações;
  • Condicionamento de tráfego;
  • Danos nas viaturas;
  • Danos em edifícios.
  • Aumento da temperatura dos oceanos
  • Presença/circulação de novas espécies de peixes, bivalves e de crustáceos na costa algarvia;
  • Deslocação de alguma flora marítima (típica de águas frias);
  • Aumento do número e da frequência dos avistamentos de espécies de animais marinhos de grande porte a nadar perto da costa, com destaque para os tubarões.
  • Vaga de frio
  • Temperatura do ar mais baixa.

Futuras

  • Temperaturas elevadas e ondas de calor
  • Aumento do risco de incêndio e ocorrência de incêndios;
  • Intensificação dos danos para a saúde;
  • Alterações nos estilos de vida;
  • Alterações na biodiversidade e no património ambiental e natural;
  • Danos para a vegetação;
  • Danos para as cadeias de produção e alterações no uso de equipamentos;
  • Problemas para a saúde, perda de bens e alteração do uso de equipamentos e serviços sendo que os grupos normalmente mais sensíveis (população mais idosa, crianças, populações mais isoladas, indivíduos com mobilidade condicionada ou fisicamente dependentes) continuarão a ser aquelas que apresentam maior vulnerabilidade.
  • Secas
  • Interrupção ou redução do fornecimento de água e/ou redução da sua qualidade;
  • Danos para a vegetação e alterações na biodiversidade;
  • Danos para as cadeias de produção e alterações no uso de equipamentos;
  • Alterações nos estilos de vida;
  • Alterações no escoamento superficial e na recarga dos aquíferos e, consequentemente, nas disponibilidades de água;
  • Restrições no abastecimento e consumo da água;
  • Diminuição da qualidade dos recursos hídricos;
  • Danos em setores como o turismo, a agricultura e a floresta;
  • Prejuízos para as atividades económicas, aumento dos custos de produção de bens e serviços e aumento dos custos com seguros.
  • Precipitação Intensa
  • Alterações nos estilos de vida;
  • Danos em equipamentos, infraestruturas e vias de comunicação;
  • Danos para as cadeias de produção e alterações nos usos de equipamentos;
  • Danos para a saúde humana;
  • Danos para a vegetação;
  • Danos em setores como o turismo e a agricultura;
  • Problemas para a saúde, perda de bens e alteração do uso de equipamentos e serviços.
  • Aumento da temperatura dos oceanos
  • Erosão costeira;
  • Danos em edifícios e infraestruturas;
  • Alterações nos usos de equipamentos e serviços;
  • Danos para a vegetação e biodiversidade;
  • Impacto direto nos fenómenos de cheias/inundações.
  • Vento forte
  • Danos em edifícios e infraestruturas;
  • Danos para a vegetação;
  • Alterações nos estilos de vida.


IV. Matriz de Risco (PAAC de Faro, 2019)

Matriz de Risco

Eventos climáticos que afetam o concelho de Faro:

  1. Altas temperaturas / ondas de calor
  2. Seca e fogos florestai
  3. Precipitação intensa / cheias
  4. Aumento da temperatura dos oceanos
  5. Vaga de frio


V. Medidas e Ações de adaptação às alterações climáticas (PAAC de Faro, 2019)


VI. Implementação / Monitorização
Acompanhe aqui a implementação do PAAC de Faro
O PAAC de Faro contempla 16 medidas cujo estado de implementação se encontra refletido nos gráficos seguintes:

A implementação das 16 medidas opera-se através da execução das ações associadas a cada uma, num total de 85 ações e cujo grau de execução se encontra refletido nos gráficos seguintes:

Nota: Monitorização atualizada em outubro de 2020


VII. Disseminação